sábado, janeiro 29, 2005

Se um dia isso acontecer




Fiquei parada, estanque com as tuas palavras.
Não sei onde fiquei. Não sei onde parei, onde me detive.
Esperei encontrar-te à minha porta, encobrindo o sorriso envergonhado de quem leu o livro que deu lugar ao filme. De quem sabe como termina a história.
Tudo o que (não) se passou era nosso conhecido. Todos os gestos, todos os beijos, todos os olhares esquivos.
Fechámos os olhos e imaginámos outras pessoas, outros corpos, outros lugares.
As lembranças podiam ter corrido velozes pelo pensamento. Mas não. Nada nos atormentou.
Consumimo-nos. Usámo-nos um ao outro.
Fomos prostitutos dessa infame vontade, de uma fome sórdida.
Tudo o que (não) se passou era nosso conhecido.
Podias gostar de mim e eu de ti...

... mas se um dia isso acontecer, não sei se vou parar com esta vida.

2 Comments:

Anonymous Anónimo said...

A fome. Sempre ela. E quantas vezes em sonhos não se devoraram de novo, sem perceber que a vontade ficou parada na soleira da realidade... membrana ténue que separa os dois mundos. Não foram dois a usarem-se, foi a realidade a mexer os cordelinhos de dois fantoches, e Deus assiste rindo da sua criação.
Cristiana http://sapatosvermelhos.blogs.sapo.pt/

7:43 da tarde  
Anonymous Gato said...

Oi,gosto muito da maneira como escreves.
Os meus parabens.Gostava q vesitaces o meu blog para dares a tua openião.Fico á espera.JOKAS

11:46 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home